A bem sucedida carreira do pianista paulistano Paulo Gazzaneo está baseada em duas vertentes de seu trabalho, a interpretação e a pedagogia e, recentemente, tem se dedicado à área da composição.

Obteve o título de Mestre pela Unicamp - Universidade Estadual de Campinas sob a orientação do Prof. Dr. Mauricy Matos Martin.

No Brasil foi orientado por Amaral Vieira (piano e música de câmara), e por Osvaldo Lacerda e Almeida Prado (composição, harmonia, análise musical e contraponto). Frequentou inúmeros cursos de extensão cultural, alguns dos quais dirigidos por Gilberto Tinetti (Brasil), Sebastian Benda (Áustria), Bruno Leonardo Gelber (Argentina), Peter Frankl (Hungria/Inglaterra) e Zoltán Kocsis (Hungria).

Na Hungria complementou seus estudos pianísticos com István Gulyás e István Lantos na Academia Superior de Música Franz Liszt de Budapeste até 1992, e, contribuindo substancialmente em sua formação acadêmica, recebeu também a orientação de Márta Gulyás, György Miklos e Ferenc Rados (música de câmara) e Máté Hollos (composição, análise musical e harmonia). Concomitantemente aos seus estudos em Budapeste, freqüentou na Áustria, na Academia Superior de Música de Viena, as classes de piano de Hans Graff.

Ao regressar ao Brasil em 1993, fixou residência em São Paulo e, entre as suas múltiplas atividades como pedagogo e intérprete, resolveu dedicar-se intensamente ao estudo e divulgação da obra pianística de compositores brasileiros e latino-americanos, interpretando e gravando obras para piano solo e formações de câmara.

A discografia de Paulo Gazzaneo conta atualmente com oito títulos gravados nos últimos catorze anos para os selos Paulus, YBrazil Concerto e PMC com obras para piano solo e música de câmara de Chopin, Liszt, Villa-Lobos, Amaral Vieira, Osvaldo Lacerda, Camargo Guarnieri, Henrique Oswald, Almeida Prado, Antônio Ribeiro, Aylton Escobar, Édson Zampronha, Pedro Caldas, Gilberto Mendes, José Siqueira, Martin Braunwieser, Sérgio Chnee e João Linhares.

"O pianista paulista Paulo Gazzaneo varre com talento e adrenalina seis peças de seu mestre, o compositor Amaral Vieira."
Luís Antônio Giron, 1996
Gazeta Mercantil, São Paulo
"O Cd Duo Quanta é a prova cabal de que a música brasileira erudita bem executada é algo de que podemos nos orgulhar, sendo um rico universo a ser explorado, difundido e apreciado. Diante de tal conjunto de realizações extremamente felizes, só resta afirmar que estamos, sem dúvida alguma, diante de uma nova referência para a música de câmara brasileira."
Fábio Caramuru, 2003
Revista Bravo, São Paulo

Em 1997, com apenas 31 anos, foi um dos indicados ao 1º Prêmio Carlos Gomes, ao lado de Cláudio Cruz e Maria José Carrasqueira, outorgado pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, na categoria "Solista Instrumental", do qual foi um dos membros do colegiado julgador na edição de 2003. Em 2004, foi contemplado com o Prêmio Lorenzo Fernandez, na ocasião de sua atuação como docente no Femusica 2004, em Campos dos Goytacazes / RJ.

Especialista na música de câmara de piano com cordas, atualmente o seu trabalho nesta área está voltado aos concertos com o São Paulo Arte Trio, do qual é membro fundador juntamente com o violinista Laércio Diniz e a violoncelista Ana Maria Chamorro.

Entre 2002 e 2006, desenvolveu um valioso trabalho de difusão e divulgação das obras de compositores brasileiros junto ao Trio Retrato Brasileiro. Além de Gazzaneo, o Trio Retrato Brasileiro foi formado por Ênio Antunes ao violino e Raïff Dantas Barreto ao violoncelo. No mesmo período também trabalhou individualmente com os dois integrantes do trio, sob o nome artístico Duo Quanta com Barreto e o Duo Opus Brasiliae com Antunes.

A base de um repertório que se estende desde o período barroco até os compositores do século XX, suas apresentações, como recitalista, camerista ou solista de orquestra, e gravações para rádio e televisão, do Brasil e do exterior (Europa, Estados Unidos e América do Sul), propiciaram-lhe fartos elogios da crítica especializada, destacando-se a execução integral dos Concertos para Piano e Orquestra de Mozart realizada em Budapeste em 1991, por ocasião do bicentenário de falecimento do compositor.

"Não é frequente encontrar um grau tão alto de limpeza, precisão e principalmente, maturidade em pianistas muito jovens, propriedades que Gazzaneo domina com surpreendente elegância e virtuosismo".
Gonzalo Sangines, 1987
Presencia, La Paz
"Em sua execução, há um equilíbrio justo entre a interpretação criadora e o respeito à partitura, a razão do compositor".
Ronald Martinez, 1988
Opinión, Cochabamba
"Paulo Gazzaneo movimenta-se com perfeita naturalidade neste mundo romântico provando essa sua atração com as Polonaises de Chopin que nos apresentou. Possui toda a técnica de piano e a riqueza de sentimentos que este estilo exige de seus intérpretes".
Marianne Pándi, 1990
Magyar Nemzet, Budapeste
"Gazzaneo alcançou cumes de grande sonoridade em matizes sutis dentro de uma coerente e sóbria unidade de estilo. Desde os primeiros instantes do programa, revelou suas notáveis qualidades técnicas e interpretativas.
"José Quezada Macchiavello, 1997
El Comercio, Lima

Gazzaneo é freqüentemente convidado a participar de festivais e a ministrar master classes no Brasil e no exterior e concomitantemente à trajetória interpretativa, deu início a uma intensiva e vigorosa atividade pedagógica para o ensino de seu instrumento a alunos particulares, bem como na qualidade de professor nas cadeiras de piano, música de câmara e matérias teóricas, disciplinas que regeu de 1993 a 2008 no Centro de Estudos Musicais Tom Jobim de São Paulo (ULM - Universidade Livre de Música), órgão do Departamento de Formação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, onde também exerceu a função de Coordenador Pedagógico de 1998 a 2004.

Nos anos de 2005 e 2006 foi consultor de Artes Musicais no Projeto Fábricas de Cultura da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

Como compositor, além de um registro fonográfico produzido em 2005 pelo selo PMC já foi prestigiado pelo Harpyia Quartet (Grécia) em uma temporada de concertos pelos países da Europa Oriental em 2003. Em 2006 teve a estréia mundial de sua Fantasia para piano e orquestra de cordas realizada pela Orquestra Antunes Câmara sob regência de Sergio Chnee e o próprio compositor ao piano no Teatro São Bento em São Paulo. Em 2010 a Taiwan at Sun Yat-sen University utilizou o seu Trio para piano e cordas em seu repertório acadêmico.

Como regente, fez sua estréia no cenário artístico brasileiro no mês de dezembro de 2011 frente a Orquestra Filarmônica do Brasil em concerto realizado na cidade do Rio de Janeiro.

Atualmente é docente da EMESP - Escola de Música do Estado de São Paulo e da Faculdade Cantareira, Diretor do Festival Música das Esferas - Festival Internacional de Música de Bragança Paulista, pianista titular da Orquestra Filarmônica do Brasil e é representado artisticamente pelas empresas Retrato Brasileiro Interartes e PLG Promoções.

Gazzaneo é membro da American Liszt Society e British Liszt Society.